Voltar para Artigos


logo

© 29 de setembro 2017 Revive Israel Ministries

Tempo e Geografia

Asher Intrater

[Trecho do livro “Alinhamento”, Capítulo 10: Tempo e Geografia]

time

“…podes crer-me que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade...” (Jo 4.21-23)

Para adorar em espírito e verdade, não é necessário geografia ou tempo. Para adorar internacionalmente, não há necessidade de qualquer identidade étnica. No entanto, o reconhecimento de que a salvação vem dos judeus permanece como um fato da aliança divina.

Em grande parte do mundo internacional cristão, tem-se dado pouca importância para o tempo e a geografia, nos últimos dois milênios. Na visão de mundo judaica, tempo e geografia são de extrema importância. A geografia é descrita em termos de “Jerusalém, Judeia, Galileia e Diáspora”. O tempo é descrito pelo calendário do Shabat, Luas Novas e Dias Santos.

Yeshua deu uma estratégia básica aos discípulos em Atos 1.5-8. Eles deveriam permanecer em Jerusalém. Deveriam esperar pelo derramamento do Espírito Santo. Depois, deveriam sair de Jerusalém. Jerusalém seria destruída. Eles não saberiam o tempo de sua reconstrução.

O tempo está ligado a Jerusalém. Enquanto Jerusalém está no lugar, o tempo está contando. Quando Jerusalém é destruída, o tempo parece alterar as dimensões até o momento para a restauração retornar. Daniel estudou os escritos de Jeremias para determinar quando seria o tempo designado para reconstruir Jerusalém (Dn 9.2). Os mistérios do tempo e do não tempo, da geografia e da não geografia, fazem parte do mistério de Israel e da Igreja, dos judeus e dos gentios.

No primeiro século, o evangelho tinha uma direção clara: de Jerusalém até os confins da terra. Nos dois mil anos seguintes, houve um pouco menos de ênfase na direção. Neste último século, uma ênfase estratégica retorna, e a direção reverte dos confins da terra de volta a Jerusalém.

Quando Yeshua disse aos seus discípulos que não pertencia a eles saberem os tempos estabelecidos pelo Pai, ele quis dizer que não era hora de restaurar Jerusalém; portanto, não havia necessidade de eles saberem. Deus certamente quer que conheçamos o tempo e a estação em que vivemos em qualquer ponto da história, para que possamos obedecer a ele no nosso tempo presente. Quando chegar o momento de obedecer, você saberá que tempo é e o que fazer.

Lembremos que um período de 50 anos é bastante simbólico nas Escrituras e é chamado de Jubileu. Ninguém sabe as datas exatas dos anos originais dos jubileus bíblicos. De qualquer forma, é fascinante notar esta passagem de tempo:

• 1517: O império Otomano conquista Jerusalém

• 1517: Início da Reforma Protestante de Lutero

• 1917: Protestantes britânicos conquistam Jerusalém

• 1967: Nação judaica conquista Jerusalém

• 1967: Renovação carismática

• 2017: Alinhamento global e evangelismo muçulmano

Vamos resumir estes anos:

• 1517 era 500 anos atrás ou 10 jubileus,

• 1917 era 100 anos atrás ou 2 jubileus,

• 1967 era 50 anos atrás ou 1 jubileu.

Israel se tornou uma nação em 1948. O ano de 2018 marcará 70 anos a partir daquele ano. Um período de 70 anos é descrito como momento decisivo para a restauração do Reino para Israel (Jr 25.11/ 29.10; Dn 9.2,24). O período de 70 anos é atravessar para um novo paradigma, diferente do que aconteceu anteriormente. É passar para a próxima etapa histórica.

O ano de 2018 é uma conclusão de 70 anos para o Estado de Israel. Agora é o tempo para iniciar a próxima etapa. É a hora para a restauração espiritual surgir a partir da restauração natural. É o tempo da etapa de reavivamento dentro do processo de restauração da nação de Israel. É hora de o remanescente messiânico de Israel tomar seu lugar.

(Eu não acho que devemos enfatizar demais as datas, mas vale a pena ter um pouco de perspectiva histórica para os tempos em que vivemos.)

Peça hoje seu exemplar do novo livro “Alignment” de Asher Intrater (em inglês) e não se esqueça de usar o código de cupom LINEUP para conseguir seu desconto de 50%!

https://reviveisrael.org/store/alignment/

Nota Importante! Este livro já foi traduzido para o português e será lançado antes do final do ano. Aguarde aviso em breve!


A Segunda Vinda e as Festas de Outono

Asher Intrater

Os feriados judaicos apontam profeticamente para a primeira e a segunda vinda de Yeshua e traçam o plano redentor de Deus para Israel e toda a humanidade.

Legendas disponíveis em: Chinês, Dinamarquês, Francês, Italiano, Coreano, Polonês e Português (BR)!

Assista!


Uma Mensagem para Jovens Muçulmanos

muslims

Confira o vídeo que está sendo viral em todo o mundo muçulmano. Até agora, entre as versões árabe, alemã e inglesa deste vídeo, totalizou mais de 5,5 milhões de visualizações.

Assista!


O Segredo de Belém

Sarah Singerman and Malek Gavris

food

No Novo Testamento, antes da crucificação, Yeshua não só usou o pão como símbolo de sua carne na Ceia do Senhor, mas também se comparou ao maná que Deus enviou do céu aos israelitas no deserto (Jo 6.32-33, 48-51).

O corpo ou carne dos sacrifícios de animais do sacerdócio levítico também simbolizava o sacrifício de Yeshua na cruz como cumprimento das exigências da Torá para a remissão do pecado. O apóstolo João disse que Yeshua era “a Palavra [ou Verbo] (que) se tornou carne e habitou entre nós...”, fazendo Yeshua o pão do céu e a palavra que se tornou carne.

O profeta Miquéias predisse que o lugar de nascimento do Messias seria em Belém de Judá (Mq 5.2). Enquanto Belém em hebraico significa “Casa de Pão”, em árabe significa “Casa de Carne”, ou “corpo”.

Coincidência?


Voltar