Voltar para Artigos


logo

©31 de janeiro 2014 Revive Israel Ministries

O Holocausto e a Profecia dos 70 Anos

Asher Intrater e Ariel Blumenthal

A semana passada marcou o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto na Europa e o 69º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz. Membros do governo de Israel reuniram-se diante dos portões de Auschwitz. Recentemente, foram encontrados novos documentos do comandante nazista Himmler, revelando novas descobertas dos eventos horríveis daqueles dias.

O profeta Jeremias escreveu sobre o castigo e um exílio de 70 anos para o povo de Israel, por volta do ano de 586 a.C., e sobre a destruição do primeiro Templo (Jeremias 25). Anos mais tarde, Daniel leu a profecia de Jeremias e percebeu que logo se completariam os 70 anos e, por isso, comprometeu-se a um longo período de oração e jejum a fim de ver a palavra de Deus se cumprir (Daniel 9.2). Ele, então, recebeu do anjo Gabriel uma profecia adicional sobre os 70 anos.

Nessa nova profecia, o padrão dos 70 anos (70 “semanas” de anos) foi estendido para o futuro numa nova dimensão a respeito da vinda do Messias e o Fim dos Tempos (Daniel 9.24). Daniel viu uma ligação bem clara entre os 70 anos da profecia de Jeremias e as 70 semanas de anos da sua. A profecia de Jeremias era mais histórica e imediata, enquanto a de Daniel era futurista e messiânica. 

Tanto os 70 anos de Jeremias quanto os de Daniel representam um modelo espiritual para nós até mesmo hoje. O 70º ano marca o fim de um período bíblico, particularmente de juízo nacional. Os Dez Mandamentos declaram que os efeitos do pecado de uma geração serão experimentados até a 3ª e a 4ª gerações — o que também dá aproximadamente 70 anos (Êxodo 20.5). Esse período de 70 anos está chegando ao fim em relação ao Holocausto. Os últimos sobreviventes do Holocausto aos poucos estão morrendo, e a influência psicológica direta sobre os seus netos e bisnetos está desaparecendo junto com eles. Essa mudança espiritual tem tanto efeitos positivos quanto negativos.

Nós acreditamos que no próximo ano, o 70º após o fim do Holocausto, haverá uma mudança de paradigma no tratamento de Deus com Israel e com as nações, particularmente com a Europa. (Haverá uma mudança paralela na Ásia Oriental acerca do relacionamento do Japão com os países vizinhos.) Que sejamos como Daniel, dispondo nossos corações para jejuar e orar a respeito deste novo tempo; e que o Senhor também nos conceda um vislumbre para o fim dos tempos – de um novo período de restauração e avivamento, como foi nos dias de Zorobabel.


Vendo Deus nos Outros

Anja A.

Deus é tão grandioso que seria impossível colocar toda sua glória e bondade em uma única pessoa (além de Yeshua). Portanto, como nos criou à sua imagem, ele escolheu pôr um pouquinho de si em cada indivíduo e em cada grupo de pessoas. À medida que nos empenhamos para conhecê-lo com mais e mais profundidade, deveríamos procurar nas pessoas ao nosso redor para encontrar Deus nelas. Se, por outro lado, nós as enxergarmos com preconceito, não seremos capazes de ver Deus nelas, e ficaremos privados de partes da natureza e do caráter de Deus. Vamos buscar a imagem e as qualidades de Deus naqueles que estão perto de nós!


Louvor na Prisão

Roni Rejuwan

Em Atos 16, lemos como Paulo e Silas foram lançados na prisão em Filipos depois de terem expulsado um demônio de uma jovem escrava. Sabemos, a partir de 2 Coríntios 11.23, que Paulo esteve muitas vezes na prisão. Tenho certeza de que não foi apenas nessa vez, na prisão filipense, que o apóstolo entregou-se ao louvor e à ação de graças de todo o coração. Foi de uma prisão como essa que ele escreveu as seguintes palavras imortais:

“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos!” (Filipenses 4.4).

Quando Paulo e Silas cantaram louvores à meia-noite, as paredes e as cadeias da prisão foram abertas por um terremoto provocado sobrenaturalmente. É interessante que, apesar de Paulo ter sido preso várias vezes, é somente essa vez que a Bíblia relata que Deus o livrou de uma forma sobrenatural. Parece que essa foi a primeira vez que Paulo foi preso. Talvez houvesse uma graça especial para essa nova situação.

Assim como Paulo, embora nossas circunstâncias possam não mudar imediatamente ou não mudar nunca, devemos nos regozijar. Quando o louvamos, a sua presença está sempre por perto.


O Jejum de Ester

Lembrete: Junte-se a nós no Jejum de Ester na quinta-feira, dia 13 de março, das 6h às 18h (horário de Israel). Vamos transmitir tudo ao vivo. Os tópicos de oração, a programação e os links serão enviados nas próximas semanas.


Voltar para artigos 2014