Voltar para Artigos


logo

©8 de fevereiro 2013 Revive Israel Ministries

Autoridade, Discipulado e a Grande Comissão

Asher Intrater

Na versão de Mateus da “Grande Comissão”, há uma forte conexão entre autoridade e discipulado. Observe a palavra autoridade no verso 18 e discípulos no verso 19. Yeshua tem autoridade, portanto fazemos discípulos. O discipulado é uma resposta à autoridade de Yeshua.

Mateus 28.18-19:
“Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações.”

A mensagem do Evangelho é uma oferta de perdão e um convite à vida eterna. Contudo, é também uma declaração de autoridade. Não há salvação sem aceitação de senhorio. A confissão mais básica de salvação é a confissão de Jesus como Senhor. (Romanos 10.9: “Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor… serás salvo.) A confissão de que Yeshua é o Senhor é essencialmente um compromisso para submeter-se à sua autoridade.

Uma oração para ser salvo deveria incluir a frase: “Eu me sujeito à autoridade de Yeshua e me comprometo a obedecê-lo”. [Ontem, nossa amiga evangelista, Rachel, trouxe um homem israelense (de 40 anos) à nossa reunião diária de oração pela primeira vez. Ele me ouviu ensinar sobre esse assunto e pediu para receber a salvação, graças a Deus.]

Yeshua tem toda autoridade. O Evangelho declara essa autoridade. Todo aquele que se submete a ele é salvo e torna-se um de seus discípulos. Ser um discípulo é aprender como andar em submissão à sua autoridade.

Yeshua tem dois tipos de autoridade. A primeira é autoridade espiritual direta. Temos que obedecer-lhe diretamente, conforme formos conduzidos pelo Espírito Santo em nossa consciência (Romanos 2.15; 8.16; 9.1). Sua palavra e sua santidade estão acima de qualquer opinião humana. As Escrituras definem para nós seus padrões absolutos de certo e errado.

O segundo tipo de autoridade é delegada, por meio de outros seres humanos. Autoridade direta tem prioridade sobre autoridade delegada, todavia temos que respeitar esse segundo tipo de autoridade também. O problema é que Yeshua é perfeito, enquanto seres humanos em posições de autoridade delegada são imperfeitos e pecadores. Como podemos nos submeter à autoridade de seres humanos que com frequência são injustos ou mesmo maus? O processo de aprender atitudes corretas em relação às autoridades é uma parte central do discipulado.

A maioria dos seres humanos tiveram experiências ruins com autoridade. Muitos foram machucados ou maltratados por aqueles que estavam em posição de autoridade. Outros ficam ofendidos por qualquer expressão de autoridade. As pessoas geralmente se rebelam quando deveriam se submeter e agem de modo egoísta quando possuem autoridade. Precisamos de muita sabedoria de Deus para lidar corretamente com toda essa confusão!

A autoridade deve estar restrita a uma esfera ou domínio com limites bem definidos (Lucas 23.7; 2 Coríntios 10.13). Um pai tem autoridade em sua própria família, mas não em outra família. Um primeiro-ministro tem autoridade em sua nação, mas não em outra. Um reino é a região (esfera) onde um rei tem autoridade. É o “território” de um rei. Toda autoridade humana delegada é limitada. Somente o domínio de Yeshua é ilimitado. Ele possui “toda” autoridade tanto no Céu quanto na Terra.

Que Deus cure nosso coração de todo abuso e leve-nos ao arrependimento por toda rebelião! Uma atitude equilibrada e saudável em relação à autoridade é a marca de um verdadeiro discípulo.


Continue Orando
  1. A guerra civil na Síria atingiu suas piores proporções com mais de 200 mortos nas últimas 24 horas, incluindo o combate nos arredores de Damasco. Ore para que a vontade de Deus seja feita.
  2. Netanyahu não foi capaz de formar uma coalizão em meio ao debate interno com Lapid e Bennet. Ore para que encontre diretrizes políticas e membros de coalizão apropriados.
  3. Ore por saúde, crescimento e amor em nossas congregações irmãs, Ahavat Yeshua em Jerusalém e Tiferet Yeshua em Tel Aviv.

O Jejum de Ester

Agende no seu calendário quinta-feira, dia 21 de fevereiro, para a tradicional “Ta'anit Ester” (o Jejum de Ester). Em Israel, várias congregações e casas de oração se unirão para jejuar e interceder por Israel, a Igreja e as Nações, de acordo com os temas no livro de Ester. Convidamos você, em igrejas e sinagogas, onde quer que esteja, a se unir a nós naquele dia para 12 horas seguidas (das 6h às 18h, horário de Israel) de oração, louvor e profecia. Os detalhes dos tópicos de oração serão publicados em breve.


Avivamento no Fim dos Tempos

Ben Ari

O que aconteceria se começássemos a fazer o que os discípulos de Yeshua fizeram quando o Espírito Santo foi derramado no cenáculo? Pedro, em sua defesa das acusações de embriaguez, citou as palavras do profeta Joel: “E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos jovens terão visões, e sonharão vossos velhos” (Atos 2.17).

Mas, no dia de Pentecostes, Deus não derramou seu Espírito sobre toda a carne. Foi somente sobre aqueles que estavam orando no cenáculo. Isso significa que o derramamento sobre o qual o profeta Joel falou ainda está por vir.  

O Espírito Santo desceu sobre os discípulos onde estavam, naquela sala. Mas hoje, há cristãos no mundo inteiro. Será que Deus nos deu uma pista do seu plano? O que aconteceria se nós, os discípulos de Yeshua dos tempos modernos, nos dedicássemos à oração com a mesma expectativa? Será que veríamos um cumprimento da profecia de Joel?
 
Para aprender mais, confira o novo ensinamento de Asher (em inglês) Revival in the End Times (Avivamento no Fim dos Tempos) no nosso canal no YouTube, Clique aqui.


Você Tem Sido Abençoado por Nosso Informativo Semanal?

Se sim, gostaríamos de receber um comunicado seu! Gostaríamos de saber se nosso informativo o tem ajudado a direcionar suas orações por Israel, se tem sido uma ferramenta para o evangelismo, ou simplesmente se o Senhor o tem usado para gerar uma transformação em sua vida. Mande-nos uma mensagem para o seguinte endereço e conte-nos sobre isso: [email protected]


Voltar para artigos 2013