Voltar para Artigos


logo

©4 de janeiro 2013 Revive Israel Ministries

Dois Bilhetes

Asher Intrater

Atribui-se ao Rabino Menahem Mendel Morgenstern de Kutsk (1787-1859) a seguinte frase: “Todo homem deveria ter em um de seus bolsos um bilhete escrito assim: ‘O mundo inteiro foi criado para mim’; e, em outro bolso, um segundo bilhete com estas palavras: ‘Sou apenas pó e cinzas’.”

Vamos comparar alguns versículos de Gênesis 1, 2 e 3.

Gênesis 1.26: “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar… e sobre toda a terra.”

De certa forma, somos “semelhantes” a Deus. Ele criou a Terra para nós e ordenou que assumíssemos domínio sobre ela. O mundo inteiro, de fato, foi criado para nós. Por outro lado, somos meros seres criados. Ele nos criou a partir do pó. Toda a humanidade morre e volta a ser simplesmente pó.

Gênesis 3.19: “… até que tornes à terra, pois dela foste formado: porque tu és pó e ao pó tornarás.”

Esse é um paradoxo, uma verdade dupla que parece contraditória. Requer grande para enxergar que somos “semelhantes a Deus”, compartilhando sua natureza divina (2 Pedro 1.4). Requer grande humildade para ver a nós mesmos como mero pó. Somos uma combinação do criador e da criação. Somos metade Deus e metade barro.

Gênesis 2.7: “Então formou YHVH (Iavê) Deus ao homem do pó da terra, e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida.”

Deus soprou em nosso interior o seu próprio Espírito para dar-nos vida. (Yeshua soprou em nós o Espírito Santo novamente para dar-nos vida eterna – João 20.22). Por meio de revelação, precisamos nos conscientizar da nossa baixeza e da nossa alteza. Depois de andar com o Senhor por algum tempo, compreendemos melhor como somos baixos e vis sem ele, e como ele deseja nos conduzir a alturas inconcebíveis.

2 Coríntios 4.7: “Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós.”

O discipulado é um processo de ser, ao mesmo tempo, humilhado até ao pó e elevado às alturas.  


Tabernáculo de Davi

Com Ariel Blumenthal

Em Atos 15, a profecia do tabernáculo de Davi de Amós 9 tornou-se uma passagem crucial para o entendimento de como e por que Deus estava introduzindo os gentios na fé. Nos nossos dias, a “restauração do tabernáculo de Davi” virou um termo popular, para falar da restauração de adoração, oração e profecia, fluindo de pessoas cheias do Espírito. Como o Rei Davi era, ele mesmo, um homem de adoração, oração e profecia (que implantou adoração 24 horas por dia em Jerusalém – 1 Crônicas 24), tal interpretação revelatória desse texto, com certeza, é válida. Entretanto, esse aspecto constitui apenas um terço da profecia bíblica.

Amós 9.11-12, 14-15
“Naquele dia levantarei o tabernáculo caído de Davi, repararei as suas brechas; e… restaurá-lo-ei como fora nos dias da antiguidade; para que possuam o restante de Edom e todas as nações que são chamadas pelo meu nome...
Mudarei a sorte do meu povo Israel: reedificarão as cidades assoladas, e nelas habitarão... Plantá-los-ei na sua terra, e, dessa terra que lhes dei, já não serão arrancados...”

Davi não era apenas um adorador; ele era rei, o rei de Israel. Por isso, a profecia não fala apenas de espiritualidade, mas de autoridade para governar. A “restauração do tabernáculo de Davi” é semelhante ao pedido dos apóstolos para que o “reino fosse restaurado a Israel” (Atos 1.6).

Restaurar ou mudar “a sorte de Israel” refere-se à restauração do povo, da terra e do Estado de Israel. Os gentios ou nações “chamadas pelo meu nome” refere-se à Igreja internacional (a ecclesia). Portanto, a profecia tem três dimensões: a Igreja, a nação de Israel e o remanescente messiânico.

Essa restauração tríplice é entrelaçada, entrançada e interdependente. Deus restaura oração, adoração e profecia na Igreja, um governo nacional justo em Israel e um movimento apostólico e messiânico dentro de Israel.


Eleições

Ore para que a vontade de Deus seja feita nas eleições em Israel, a serem realizadas em menos de 20 dias. Pesquisas recentes revelam:

36% – partido de Netanyahu-Liberman, de centro-direita
18% – Shelly Yachimovitch, partido trabalhista, de centro-esquerda
13% – Bennett – crescimento inesperado de partido religioso de direita, nacionalista, de assentamentos
11% – Shas – partido ultraortodoxo sefardita, que conta com o retorno do ex-líder Aryeh Deri
11%  – partidos árabes; 10% do parlamento israelense (Knesset) é árabe (!)
9 % – Tsipi Livni, centro-esquerda
9% – Yair Lapid, centro-esquerda
5% – Yahadut HaTorah, partido ultra-religioso ashkenazi (judeus da Europa central ou oriental)
4% – Merets – extrema esquerda

Formar uma coalizão será complicado, como sempre. Existe a necessidade, por um lado, de fortalecer o líder do governo, provavelmente Netanyahu. Entretanto, há também a necessidade de um elemento moderado para equilibrar os grupos religiosos, talvez Lapid. 


Congregação Ahavat Yeshua

Eddie Santoro

Nossa congregação em Jerusalém está crescendo; pessoas novas estão nos visitando toda semana. Há uma unção maior do Espírito Santo nas nossas reuniões, e sentimos que o senso de comunidade está crescendo também.

Ore por Evan que recebeu, recentemente, a incumbência de liderar o departamento de louvor. Ele tem feito um trabalho sensacional para formar várias equipes de louvor.

O departamento infantil está expandindo, procurando oferecer um programa que possa encorajar e alimentar todas as crianças. Ore por Vered que está à frente de uma equipe de voluntários que estão investindo sua vida nesse programa.

Ore por Sarah, Yoel e Or que estão trabalhando com os adolescentes para fortalecê-los enquanto atravessam esses anos cruciais de sua vida. Una-se a nós em fé para levantar uma geração de jovens israelenses para levar o evangelho a essa nação e para o mundo.

É apenas o início daquilo que Deus quer fazer. Ore por Asher e por mim, junto com nossa equipe de liderança, enquanto buscamos o poderoso destino de Deus para Ahavat Yeshua.


Voltar para artigos 2013