Voltar para Artigos


logo

©2 de junho 2012 Revive Israel Ministries

Oração de Pentecostes

Por Ariel Blumenthal, Michael Enos, Asher Intrater

Há 2 mil anos, um bando de discípulos judeus em Jerusalém decidiram levar a palavra de Yeshua a sério e esperaram juntos pela promessa do batismo no Espírito Santo. Será possível que soubessem de antemão o que haveria de acontecer – que passariam a falar sobrenaturalmente em outras línguas, que 3 mil pessoas seriam salvas no mesmo dia? Provavelmente não.

Pedro citou uma profecia do livro de Joel, logo após o derramamento do fogo do Espírito. Aparentemente, as profecias de Joel haviam sido um dos principais temas de meditação e revelação durante a noite que passaram em oração. Possivelmente, Yeshua também havia usado as palavras de Joel nos últimos ensinamentos aos discípulos, antes de sua ascensão. 

Há pouco mais de uma semana, pelo segundo ano consecutivo, tivemos nossa Vigília de Oração Shavuot (de Pentecostes). Durante 12 horas, um bando contemporâneo de discípulos israelenses, em conjunto com parceiros de oração em muitos países, adorou e intercedeu, sem interrupção. Como no caso dos discípulos de 2 mil anos atrás, este é um momento especial, um lugar especial e uma rede especial de amigos crentes, orando para liberar o avivamento dos últimos dias, conforme anunciado pelos profetas hebreus.

Cremos que o Senhor se manifestará em reuniões como esta de forma cada vez mais intensa antes da Segunda Vinda, quando seus pés tocarão no Monte das Oliveiras. Assim como ele apareceu a diversos grupos em diferentes lugares depois da ressurreição e antes da ascensão, agora ele virá em ordem inversa, aparecendo a diferentes grupos antes da sua volta.


“Flame”

O instituto russo Kaspersky revelou na semana passada que um novo vírus vem atacando sistemas de informática em todo o Oriente Médio, atuando há dois anos sem ser detectado. O nome do vírus é “Flame” e contém 20 Mb (40 vezes maior do que o famoso vírus Stuxnet). Pelo tamanho e sofisticação do vírus, não poderia ter vindo de nenhum hacker particular, o que aponta para o envolvimento de alguma agência de espionagem governamental.

O “Flame” não destruiu programas, mas extraiu informação deles como um parasita. O número de computadores afetados, de acordo com o relatório, foi: no Irã, 189, na Palestina, 98, no Sudão, 32, na Síria, 30, no Líbano, 18, na Arábia Saudita, 10, no Egito, 5. Enquanto o governo de Israel se recusou a aceitar responsabilidade pelo vírus, Natanyahu emitiu uma declaração afirmando que a Cibernética é um aspecto importante da defesa de Israel contra terror internacional (Ma’ariv, Yediot 29-05-12).


Rabinos Não Ortodoxos

Em resposta à petição da rabina reformista Miri Gold, em 2005, o gabinete do Procurador Geral de Israel aprovou a concessão de salários para alguns rabinos conservadores e reformistas. É a primeira vez na história que houve quebra do monopólio ortodoxo sobre as instituições religiosas judaicas em Israel. A decisão desencadeou fortes reações a favor e contra. Embora a comunidade de judeus messiânicos definitivamente não foi incluída nessa decisão, apoiamos qualquer passo em direção a pluralismo e liberdade de expressão religiosa em Israel.

Para maiores informações, veja o artigo do Jerusalem Post, em inglês:
http://www.jpost.com/NationalNews/Article.aspx?id=271869


Semana do Livro

Esta é a “Semana do Livro” em Israel. Esta nação minúscula tem a mais elevada publicação de livros per capita do mundo. As estatísticas da Biblioteca Nacional revelam que foram publicados impressionantes 6.302 novos títulos até agora, só neste ano! Além disso, houve 1.359 teses de mestrado e 1.074 dissertações de doutorado (Ma’ariv 30-05-12).


Pregação de Madonna

A cantora popular Madonna escolheu Israel como local para iniciar sua turnê mundial 2012 de concertos. Ela disse que é o centro de energia do mundo e o lugar para iniciar a paz mundial. Seu concerto continha uma estranha mistura de imoralidade sexual, misticismo Nova Era, política esquerdista, judaísmo, religião e blasfêmia.

Para ler a reportagem do Jerusalem Post, acesse:
http://www.jpost.com/LandedPages/PrintArticle.aspx?id=272294


A Imagem de Deus e o Domínio sobre a Criação

Por Youval Yanay

Recentemente, nossa equipe fez um workshop extenso sobre técnicas de comunicação em parceria com um cristão que é treinador profissional de cavalos e “coach”. A experiência de lidar com cavalos nos levou a uma compreensão mais profunda de nós mesmos e das nossas interações com outros.

Gênesis 1.26: “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra...”
Esse versículo tem duas partes. Primeiro, fomos criados à imagem de Deus. Segundo, devemos governar sobre os animais. É por causa da primeira parte que a segunda pode acontecer. Deus é o perfeito soberano sobre a criação. Ele é quem conhece a criação, sustenta-a e trabalha em harmonia com ela.

Ter domínio sobre a criação significa administrar, estar acima dela; implica ter mais entendimento, amar mais, ser mais confiante. Essa é a nossa posição por direito, por sermos criados à imagem de Deus. Não significa abusar, amaldiçoar ou prejudicar a criação de Deus, tampouco ser alienado ou separado dela. A fim de assumir o domínio de forma correta, Deus nos dá sua própria imagem e semelhança.

Deus sujeitou a criação a nós. O bem-estar do planeta depende da nossa capacidade de realizar nosso destino como filhos de Deus (Rm 8.19-22). Nosso sucesso ou fracasso em assumir o domínio sobre a terra determina a condição do planeta.

De modo semelhante, a condição da criação reflete a imagem de Deus em nós. Nossa capacidade de governar corretamente a criação reflete o grau em que estamos cumprindo nosso chamamento de estar na imagem de Deus. A forma como lidamos com a criação é um teste da nossa própria imagem e condição espiritual. Como estamos aparecendo no reflexo do espelho da criação?

Estamos na imagem e semelhança de Deus? Estamos nos relacionando corretamente com a criação de Deus? Até que ponto estamos sustentando, compreendendo e governando a criação? Ao ver a reação da criação a nós, nosso próprio coração é exposto para mostrar se estamos cumprindo o primeiro mandamento e mandato de Deus.  


Voltar para artigos 2012