Voltar para Artigos


logo

©8 de abril 2012 Revive Israel Ministries

A Páscoa – Antigamente e Agora

Por Eddie Santoro

Como Israel tem feito por milhares de anos, a nação cumprirá mais uma vez o antigo preceito bíblico de guardar a Páscoa. Naquela noite incrível, tantos anos atrás, o Senhor mostrou sua grande fidelidade para com Israel. Ele olhou lá do alto, dos céus, viu sua miséria e sentiu sua dor. Ele poderia ter enviado outro, mas o amor exigiu que ele próprio descesse para resgatá-los (Êx 3.7).
Não faltaram sinais e maravilhas. Moisés contemplou aquele que era plenamente homem e plenamente Deus. Com pragas avassaladoras, Deus humilhou a nação mais poderosa da época e, apenas algumas horas depois, Israel iniciou uma jornada que continua até o dia de hoje. Israel marchou para fora do Egito, depois de 430 anos de escravidão. Um povo prisioneiro e oprimido foi posto em liberdade. Deus se mostrou grande aos olhos de Israel e de toda a Terra.

Quinze séculos depois, outro judeu reuniu seus discípulos ao redor de si. Ele era o mesmo que, tantos anos atrás, havia contemplado, lá do céu, o sofrimento do povo hebreu. Seu coração não mudara. Ele ainda desejava libertar seu povo, mas, dessa vez, não era apenas seu querido Israel que seria conduzido para fora da escravidão. Dentro das próximas horas, aquele que era plenamente Deus e plenamente homem seria, ele mesmo, o Cordeiro Pascal. O amor exigia que ele se sacrificasse numa cruz na cidade que amava. O mundo jamais seria o mesmo.

Seus discípulos não entendiam o que estava acontecendo. Ele falou sobre o espírito de servo, de voltar para o Pai e do poder da vida sobre a morte. Celebraram a Páscoa juntos e, em seguida, esse homem que amou como nenhum outro jamais amara saiu para destruir o Reino das Trevas e da Morte. Dessa forma, ele terminou o processo de libertação que Moisés começara tantos anos antes.
Na cruz, e por meio de sua morte e ressureição, ele derrotou os poderes do inferno e deu aos que escolhera um Reino que subsistiria para sempre. A morte foi tragada pela vitória, e sua luz triunfou sobre as trevas para todo o sempre. Que este seja um ano em que você receba a libertação de toda escravidão, e que o poder de ressurreição de Yeshua, o Cordeiro de Deus, opere a vitória dele em sua vida.


Netanyahu – Sobre Segurança

Trecho traduzido de uma entrevista dada em Musaf, Maariv
O fato de Irã possuir armas nucleares é um enorme perigo para a nação de Israel. Esta noite, celebraremos a Festa da Páscoa e, como de costume, a seguinte frase será repetida em muitos lares ao se reunirem em volta da mesa: “Em cada geração, inimigos têm se levantado para nos exterminar”. Essa frase tem se provado verdadeira. Foi exatamente isso o que aconteceu no século passado, no Holocausto. A Alemanha Nazista se levantou para exterminar o povo judeu; não tínhamos nação, nem tampouco forças armadas. Houve aqueles que viram o perigo, mas não fizeram nada a respeito.
Hoje estamos respondendo a quatro ameaças primárias. A primeira resposta é a essa ameaça nuclear, e consiste em incentivar a comunidade internacional a pressionar Irã. A segunda resposta é construir uma proteção contra os mísseis, como essas cúpulas de ferro. A terceira resposta, obviamente, é contra a ameaça cibernética contra nossa infraestrutura. Estamos nos posicionando para sermos uma potência cibernética. E a quarta tem a ver com nossas fronteiras. Se nossas fronteiras não estiverem cercadas e protegidas, nossa pátria será invadida e dominada.


Michael Cohen – “In Memoriam”

Por Ari Bem

Nosso querido amigo e irmão, Micheal Cohen, faleceu esta semana, após desmaiar no Portão de Jaffa, na Cidade Velha em Jerusalém.
O funeral de Michael foi prestigiado por um grande número daqueles que foram tocados por sua vida. O grande número de pessoas que compareceram, por si só, é um testemunho do amor genuíno que ele demonstrava por todos que cruzavam seu caminho. Era tangível o sentimento de respeito e admiração por Michael que pairava naquele lugar.
Michael era um sacerdote Anglicano que, alguns anos atrás, descobriu as raízes judaicas não só de sua fé, mas também de sua família. Posteriormente fez aliyah (imigrou) a Israel e escreveu um livro sobre raízes judaicas.
Homem humilde e um verdadeiro servo, Michael viajava pelos Estados Unidos e pela Inglaterra ensinando a Palavra de Deus, especialmente a respeito de Israel. Porém, passava a maioria do seu tempo em Israel ensinando no Succat Hallel, saudando as pessoas às portas do Ahavat Yeshua, e fazendo parte da diretoria de organizações como Makor Hatikvah e Revive Israel. Foi também o mentor e pai spiritual de muitos dos jovens adultos da comunidade. Sentiremos muito a sua falta.


Três Derramamentos

Por Asher Intrater

No final dos tempos, haverá três grandes derramamentos do Espírito Santo. Podemos classificá-los em três categorias simples.
 

  1. Avivamento na Igreja
    Será um acontecimento similar ao que aconteceu na manhã de Pentecostes, porém numa escala internacional.

    Atos 2.17 (Joel 2.28)
    Nos últimos dias, diz o Senhor, derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão.

     
  2. Juízo sobre as Nações
    À medida que o Espírito é derramado sobre todas as nações, esse mesmo Espírito que traz avivamento também traz juízo.

    Sofonias 3.8
    Porque o meu juízo é ajuntar as nações e congregar os reinos, para sobre eles derramar a minha indignação e todo o ardor da minha ira; pois toda esta terra será consumida pelo fogo do meu zelo.

     
  3. Arrependimento em Israel
    À medida que a Igreja chega à sua plenitude e as nações são julgadas, o mesmo derramar do Espírito trará revelação e arrependimento a Israel com respeito a Yeshua e salvação.

    Zacarias 12.10
    E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o espírito da graça e de súplicas; olharão para aquele a quem traspassaram.

Esses três derramamentos são interligados, como também se relacionam com as nossas orações, a nossa fé e a nossa prontidão.


Voltar para artigos 2012