Voltar para Artigos


logo

©21 de janeiro 2012 Revive Israel Ministries

Visão Islâmica do Oeste

Por Betty Intrater

Em seu livro, Na Terra das Mulheres Invisíveis (Sourcebooks, 2008), a Dra. Qanta Ahmed descreve suas experiências espirituais e culturais sendo uma mulher Mulçumana na Arábia Saudita. Em certo momento ela vê um casal saudita bem vestido alugando o filme do Al Pacino, “O Advogado do Diabo” para mostrar a jovem filha deles.

Ahmed escreve (pg. 405): Eu fiquei chocada. O filme imaginava um mundo onde Pacino fazia o papel de Satanás. A sexualidade em grupo apimenta o filme. A violência é extrema e é mostrada em uma lustrosa e polida interpretação dos dias modernos em Nova Iorque.

Ahamed então pergunta por que eles queriam assistir o filme com a filha deles. O casal responde: “Nós queremos que nossa filha entenda todas as coisas que são tão ruins sobre o Oeste, especialmente os EUA. Nós cremos que devemos expô-la a uma verdadeira reflexão daquele mundo corrupto e aviltado. Eu quero informar minha filha.”

Muitos Mulçumanos vêem o sexo, a corrupção e a violência nos filmes de Hollywood como um retrato verdadeiro da sociedade Americana, e concluem que retrata também a cultura Cristã por inteiro. Que Deus possa nos dar graça para separar os verdadeiros valores bíblicos e Judaico-Cristão da imagem da “Grande Meretriz” (Apocalipse 17) que é passada ao restante do mundo pela mídia e pela indústria do entretenimento!


Novos Convertidos Israelenses

Ore pela M, um novo convertido com um passado de alto escalão no governo israelense; pela E, uma ex-professora da Bíblia em escolas israelenses; e pelo Y, um israelense morando nos EUA. Ore por revelação enquanto eles lêem a Nova Aliança e o livro do Asher “Quem Almoçou com Abraão?” Ore por segurança, humildade, discipulado básico, comunhão congregacional, e que seus testemunhos se mantenham puros e poderosos. Pela Rachel enquanto ela recomeça suas atividades no centro de evangelismo Casa Netanel.


Danny Ayalon sobre os Refugiados

Danny Ayalon é um membro Knesset e ministro das Relações Exteriores, ativo na cooperação entre o governo israelense e a comunidade Cristã internacional. Aqui está um vídeo de 5-minutos com gráficos que descrevem a história do problema dos refugiados Palestinos de uma perspectiva israelense (Ao clicar no botão “CC” no canto direito de baixo, você encontrará legendas em várias línguas.)
http://www.youtube.com/watch?v=g_3A6_qSBBQ&feature=player_embedded#


Lembrete do Jejum de Ester

Não se esqueça de marcar seu calendário para o “Ta’anit Ester”. De acordo com a tradicional data Judaica, nós estamos preparando uma assembléia de oração e jejum de 12 horas das 6 da manhã às 6 da noite na Quarta, 7 de Março. Sua igreja ou congregação, grupo de oração ou casa de oração, estão convidados e se unir a crentes Messiânicos aqui em Israel para este histórico e estratégico evento de intercessão. Mais detalhes virão nas próximas semanas.


Luz do Mundo

Por Asher Intrater

Yeshua é tão maravilhoso e Sua mensagem é tão pura que às vezes eu me pergunto por que as pessoas não recebem o evangelho. Por outro lado, como pode Deus julgar alguém somente por que ele não recebeu a mensagem? Isso parece injusto. Aqui está a resposta de Yeshua:

João 3:19 – A luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque suas obras eram más.

Yeshua é a luz. A luz é Seu amor, justiça, graça e pureza. Sua aparição à humanidade e Sua mensagem constitui um teste moral. Aqueles com um coração gracioso se achegam a ela; aqueles cujos corações são impuros irão lutar contra ela.

O evangelho é como a sabedoria de Salomão (I Reis 3). Quando duas mulheres se achegaram a ele alegando a mesma criança, ele trouxe uma espada para cortar a criança em dois. A que tinha o coração puro, disse para dar o menino a outra e não machucá-la; aquela cujo coração era impuro disse para cortar a criança. A suposta morte da criança inocente era um teste moral do coração das duas mulheres. O mesmo é verdade para os dois criminosos na cruz ao lado de Yeshua (Lucas 23). Um tinha o coração sensível; o outro um coração duro.

O sofrimento de alguém inocente é a única maneira de testar o coração do homem. Se uma criança nova na escola chega a sala, os “bullies” irão azucriná-la; alguns irão rir; mas outros serão movidos em compaixão. A resposta ao sofrimento da criança inocente revela o coração de todos na sala. Yeshua, o justo e inocente, sofrendo na cruz, revela as intenções do coração.

A “luz” em João 3 pode ser comparada com a luz em João 8. Aqui uma mulher é flagrada em adultério. Os religiosos hipócritas querem apedrejá-la. Eles claramente têm intenções malignas, porque eles não trouxeram o homem flagrado em adultério com ela (Levítico 20:10), e porque a mulher estava claramente arrependida. Yeshua repreende aqueles que queriam apedrejá-la, e vira para a mulher e diz:

João 8:11 – Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.

E para a multidão ele diz:

João 8:12 – Eu sou a luz do mundo.

Neste contexto, não é só o próprio Yeshua que é a luz, mas Ele está qualificando o perdão e a justiça. O equilíbrio perfeito entre a graça e a pureza é a luz de Yeshua. Alguém que não está disposto a perdoar os outros irá ter dificuldades em aceitar um evangelho de perdão. Alguém que não está disposto a parar de pecar irá ter dificuldade em aceitar um salvador que diz, “Não peques mais.” Quando líderes da igreja se tornam críticos demais ou brandos demais, eles erram o coração da mensagem de Yeshua.

Uma das principais razões que muitos Sul Coreanos aceitaram o evangelho e os Norte Coreanos não foi porque o comunismo encheu os Norte Coreanos de ódio pelos Americanos. Quando muitos Negros nos EUA nos anos 60 começaram a odiar os Brancos, eles viraram as costas ao Cristianismo se tornando Islâmicos. Quando nós judeus pensamos que somos espiritualmente superiores aos gentios, então não conseguimos receber a mensagem de Yeshua. Quando jovens não conseguem perdoar seus pais, eles iram rejeitar a mensagem do perdão de Deus. Aqueles pervertidos com a imoralidade sexual e rebelião não conseguem receber a mensagem que diz, “Não peques mais.”


Voltar para artigos 2012