Voltar para Artigos


logo

 “Messias é Deus” no Judaísmo Hassídico
© 10 de abril 2011 Revive Israel Ministries

Por Tal Robin

Semana passada anúncios foram colocados nos dois jornais mais vendidos em Israel (Maariv e Yedioth) por Meir barnes, da seita “meshichist” dentro do movimento Chabad-Lubavitch de Brooklyn, Nova Iorque. O chefe rabi deles, Menachem Schneerson, morreu em 1994. Após sua morte, o movimento se dividiu em dois; o grupo mais moderado crê que Schneerson pode ser o messias, pois seus ensinamentos influenciam o mundo; o grupo mais radical (meshichist ou “messiânico”) crê que ele é definitivamente o messias e que ele ressuscitou espiritualmente dos mortos.

Este novo anúncio contém a proclamação chocante de que o rabi Schneerson é Deus; que ele é “O Santo, o Rei dos Reis, a essência Daquele que é Abençoado, a Luz Eterna.” O anúncio até mesmo declarou que “Deus se vestiu no corpo do Messias.” O anúncio também cita escrituras místicas de que Moisés era “meio Deus e meio homem,” mas que o rabi Schneerson é “totalmente Deus.” O anúncio mostra uma foto do Schneerson com uma citação de Isaías 25:9 “Eis que este é o nosso Deus.”

Depois destes anúncios veio um anúncio contrário do rabi Menachem Brod do Chabbad desqualificando Meir Barnes como mentalmente doente.

O conceito que o Messias pode ser Deus existe no movimento Breslav Hasidic, que são os seguidores do rabi Nachman de Breslav (1772-1810). Eles referem a ele como, “o messias sendo um com Deus que era antes da criação, aquele que é perfeito e digno de sentar no Trono, o Homem exaltado de acordo com a verdade. O rabi Nachman criou o mundo porque ele está no mesmo nível Do Abençoado.”

Alguns seguidores Breslav rapidamente explicam que as citações concernentes ao rabi Nachman não podem ser entendidas de uma maneira simples. Eles não negam que o rabi Nachman disse estas coisas em relação a ele mesmo, mas eles não estão de acordo quanto à interpretação.

Como resultado desses anúncios há agora uma luta entre a seita Meshichist e a Chabbad e os seguidores do rabi Breslav. Cada um está tentando desqualificar a seita do outro rabi. Estas lutas representam um romper histórico no desenvolvimento do pensamento da religião Judaica: que o Messias é real, que ele tem qualidades divinas, e que ele pode até mesmo ser considerado Deus.

Uma das maiores dificuldades que nós temos enfrentado nos últimos anos ao compartilhar o evangelho é o fato que o nosso povo se recusa a aceitar e divindade do Messias. O simples conceito de um Messias divino é visto como “não-Judeu.” Nestes últimos dias, enquanto os ultra-Ortodoxos Judeus buscam ferventemente a vinda do Messias, alguns estão descobrindo estas verdades bíblicas antigas sobre o Messias. Vamos orar para que eles sejam libertos de uma fé em falsos e “mortos” Messias, e que eles venham a crer no verdadeiro e “vivo” Messias, Yeshua, que ressuscitou dos mortos, o filho de Davi e do filho de Deus. 

Se Judeus Hassídicos podem declarar que o seu falso messias seja Deus, não há nenhuma razão para nós hesitarmos em declarar que Yeshua é Deus (João 1:1, João 14:9, João 20:28, Romanos 9:5, Filipenses 2:6, Colossenses 1:15-17, Colossenses 2:9, I Timóteo 3:16, Hebreus 1:3,9, I João 5:20, Apocalipse 1:8).

A questão da divindade do Messias tem sido levantada de uma maneira diária de novo no mundo religioso dos Judeus e até na moderna mídia Israelita. Este fenômeno também aponta a outra verdade bíblica: no fim dos dias muitos falsos messias e falsos profetas vão se levantar (Mateus 24:24-26).


Japão e o Fim dos Dias

Por Ariel Blumenthal

Eu quero compartilhar com você algumas experiências dos meus 12 dias no Centro de Missões Globais em Iwaki – que está perto do centro de evacuação da Planta Nuclear Fukushima Daiichi. Até um mês atrás, a maioria de vocês nunca tinha ouvido falar de Fukushima - - agora este nome tem uma fama ruim como teve “Chernobyl” uma geração atrás.

Eu creio que o Senhor escolheu a cidade Iwaki para começar um avivamento no Japão. Para ver o relato, veja: http://reviveisrael.org/japanblog/


Bibi e Bieber

Por Betty Intrater

Esta semana Israel está se tornando “como todas as nações” por receber o astro dos adolescentes Justin Bieber em um show em Tel Aviv. Bieber, que diz ser um Cristão e que ora antes de seus shows, virá alguns dias antes para fazer um tour pela Terra Santa. Ele também tem um encontro marcado com o Primeiro Ministro “Bibi” Netanyahu.

Dizem também que o Bieber, através de seu agente Judeu, aprendeu a entoar a oração Hebraica “Shema Yisrael” antes de seus shows.


Cúpula de Ferro – Fim a Ameaça de Mísseis Palestinos?

Por Mati Shoshani

Este último fim de semana viu o primeiro uso com sucesso do sistema “Cúpula de Ferro”. O sistema militar antimísseis foi rapidamente desenvolvido por companhias de defesa Israelitas em resposta aos ataques de mísseis vindos de Gaza contra Israel.

O sistema reconhece o míssil quando este é lançado, calcula a trajetória, e destrói o míssil no meio da trajetória aérea se necessário.

O sistema foi usado ao redor de Beer-Sheva e Ashekelom, e destruiu 8 mísseis indo em direção a áreas densamente populadas.

O “Cúpula de Ferro” mudou o cenário de terror neste confronto Israel-Palestina no sul de Israel ao reduzir as ameaças de mísseis matando civis dentro de cidades e assim eliminando o efeito desmoralizador no público Israelita.

O “Cúpula de Ferro” é uma tecnologia que desempata dando tempo às pessoas em posição de tomar decisões para tomá-las de maneira certa na explosiva realidade do Oriente Médio.


Levantamento de Civis Sírios

Trinta e sete civis Sírios foram declarados mortos após um fim de semana de confrontos entre forças de segurança e protestantes.

Começando no fim das orações de Sexta, os protestantes foram para as ruas da Síria como parte das ondas de demonstrações que o Presidente Assad tem lidado nestes últimos meses. Os demonstradores recusam retrair suas demandas por democracia e igualdade. Assad elevou o nível de violência usado contra os protestantes. Parece que nenhum dos lados está disposto a ceder, o que irá com certeza levar a mais derramamento de sangue.


De nuevo a los artículos de 2011